Alteração para agendamento

Estamos sempre aprimorando nosso atendimento aos associados e associadas, no sentido de facilitar o acesso aos benefícios do sindicato. Em função disto vamos fazer uma alteração para agendamento de pediatra.

Atualmente os agendamentos, somente por telefone, de médico funcionam da seguinte forma:

CLINICO GERAL E GINECOLOGISTA: Em qualquer momento em que a pessoa ligar, durante nosso horário de expediente, estamos marcando a consulta. Se não tiver vaga para o mesmo dia, agendamos para o primeiro dia de agenda vaga. Normalmente tem já para o dia seguinte.

PEDIATRA: Atualmente tem que ligar às 7:30 horas para ser atendido à tarde do mesmo dia e às 13:00 horas para ser atendido no outro dia de manhã.

VAMOS FAZER UMA EXPERIÊNCIA E A PARTIR DA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA (08/07) O AGENDAMENTO PARA CONSULTA DE PEDIATRA SERÁ IGUAL AO CLINICO GERAL E GINECOLOGISTA OU SEJA:

QUALQUER HORA QUE A PESSOA LIGAR, DURANTE NOSSO HORÁRIO DE EXPEDIENTE, ESTAREMOS MARCANDO CONSULTA.

SE NÃO TIVER PARA O MESMO DIA, MARCAREMOS PARA O DIA SEGUINTE E ASSIM POR DIANTE.

Reajuste salarial dos vestuaristas é de 5,07%

Percentual repõe integralmente a inflação acumulada nos últimos 12 meses. Salários Admissional e Normativo têm aumento real.

Os mais de 22 mil trabalhadores e trabalhadoras vestuaristas de Jaraguá do Sul, Guaramirim, Corupá e Schroeder recebem no quinto dia útil de junho um reajuste salarial de 5,07%, no salário de maio, data-base da categoria. O fechamento da Convenção Coletiva de Trabalho/2019 aconteceu na manhã de hoje (27/05) e o reajuste repõe integralmente a inflação/INPC acumulada nos últimos 12 meses. Os pisos salariais dos vestuaristas tiveram 5,5% de reajuste, com percentual de ganho real: o Salário Admissional passou de R$ 1.230,00 para R$ 1.298,00, enquanto o Normativo (após 90 dias de trabalho na mesma empresa) passou de R$ 1.310,00 para R$ 1.382,00. As demais cláusulas da atual Convenção foram renovadas.

“Chegamos a um denominador comum para fechar a Convenção Coletiva, mas não foi o acordo dos nossos sonhos”, avalia o presidente do STIVestuário, Gildo Antônio Alves. “Pelo menos os trabalhadores terão como receber, neste mês, os 5,07% de reajuste salarial”, completa Gildo, lembrando que a intenção inicial do patronal era parcelar o pagamento da inflação em duas vezes. O presidente do STIVestuário ressaltou ainda a dificuldade de negociar no atual cenário econômico.

Nota: as cláusulas da CCT (inclusive pisos e reajustes) são fruto de exaustiva e desgastante negociação entre o STIVestuário e o Sindicato Patronal. Por princípio o Patronal não oferece nada mais do que determina a lei, não tem obrigação de aceitar nada e sequer existe um prazo para fechar a CCT. Graças a permanente e persistente intervenção do STIVestuário é possível negociar estas cláusulas que beneficiarão todos os vestuaristas (inclusive os não sindicalizados).

Regime Geral no Setor Privado – Mulheres

Entenda como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 06/2019) que trata da reforma da Previdência afeta sua vida.

Para os trabalhadores do Regime Geral no Setor Privado – Mulheres

As mulheres serão as mais prejudicadas com a reforma da Previdência se a proposta apresentada for aprovada pelo Congresso Nacional.

No modelo atual, as trabalhadoras podem se aposentar após 30 anos de contribuição ao INSS, sem a exigência de idade mínima. Nesse caso, para ter acesso ao valor integral do benefício, as mulheres precisam que a soma da idade mais o tempo de contribuição seja igual a 86 (56 anos + 30 contribuição = 86 – aposentadoria integral).

No caso das trabalhadoras que não conseguem se aposentar por tempo de contribuição, a aposentadoria é por idade: 60 para as mulheres, com no mínimo 15 anos de contribuição.

A reforma de Bolsonaro quer acabar com a aposentadoria por tempo de contribuição e obrigar as mulheres a se aposentarem com, no mínimo, 62 anos de idade. Nesse caso, o tempo mínimo de contribuição subirá de 15 anos para 20 anos e as trabalhadoras vão receber apenas 60% do valor do benefício. Para ter acesso à aposentadoria integral, a trabalhadora terá de contribuir por pelo menos 40 anos.

Exemplo:
Pelas regras atuais, uma mulher de 55 anos e com 25 anos de contribuição precisaria trabalhar mais 5 anos para se aposentar com o benefício integral.

Já pelas regras propostas, que quer implementar a idade mínima obrigatória de 62 anos para as mulheres, essa mesma mulher terá de trabalhar pelo menos mais 7 anos (55+7 = 62) para se aposentar por idade. Ainda assim, ela só chegaria a 32 anos de contribuição (25+7 = 32) e não se aposentaria com o benefício integral, mas com 84% do valor.

Regime Geral no Setor Privado – Valor do benefício

Entenda como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 06/2019) que trata da reforma da Previdência afeta sua vida.

Para os trabalhadores do Regime Geral no Setor Privado – Valor do benefício

Pelas regras atuais, o valor do benefício é calculado com base na média das 80% maiores contribuições feitas pelo trabalhador ao longo da vida profissional.

Bolsonaro quer mudar essas regras. Pela proposta encaminhada ao Congresso, o cálculo passará a contar a média de todas as contribuições (100%) ao longo da vida profissional, inclusive os menores salários recebidos pelo trabalhador.

Ou seja, ao acrescentar os menores salários, o valor final do benefício será menor.